Revista da Papelaria

Início » Notícias / Escolar » Arte para além da infância

21/12/2018

   

Arte para além da infância

Giz de cera é material valorizado por artesãos em função do custo-benefício e da facilidade de acesso

A artesã Maria Aparecida de Lima Silva, de São Paulo, capital, dá cursos, tem um ateliê em casa, participa de feiras e atua em um mercado que movimenta cerca de R$ 50 bilhões por ano no Brasil – e, por isso, não pode ser negligenciado pelas papelarias. Isso não significa que é necessário ampliar em larga escala a oferta de produtos focados na produção artesã, mas identificar o potencial e a versatilidade de itens que já fazem parte do mix tradicional das papelarias, como o giz de cera. “As pessoas pensam que giz de cera é só escolar e não sabem que podem usar em outros trabalhos, em panos de prato, com recicláveis. Também vale a pena usar giz em função do preço, porque é bem mais em conta do que as tintas, que vêm com o custo de pincel”, destaca Cida.


A artista ainda destaca que as papelarias precisam redescobrir os artesãos como público consumidor e as fabricantes deveriam criar linhas específicas para artesanatos, pensando além do público infantil ou escolar.


Dos produtos mais tradicionais e conhecidos do mercado, destaca-se a linha de artes Pentel, o Giz Pastel, destinado a trabalhos artísticos, como ilustrações, desenhos e pintura, em versões no formato de sticks cilíndricos e barras.


A Faber-Castell, a categoria giz é composta por produtos de diversos formatos, tamanhos e fórmulas para atender às mais variadas necessidades, gostos e usos. Uma das inovações mais significativas dos últimos tempos foi o lançamento do Ecogiz com corpo de madeira 100% reflorestada, desenvolvido especialmente para resolver o maior desafio do produto, que é a quebra ao usar. O mercado ainda conta com a linha Bic Evolution de Giz de Colorir como uma boa opção para trabalhos manuais e artesanatos. As diferentes versões são de 12 e 24 cores, cores vivas e ultrarresistência.


Esse texto não acaba aqui! Você pode conferir o texto na íntegra na edição 253 da Revista da Papelaria.

 

< Anterior | Próxima >