Revista da Papelaria

Início » Notícias / Varejo » Quem vai contratar mão de obra temporária?

22/11/2012

   

Quem vai contratar mão de obra temporária?

Pesquisa revela que Papelaria deve ser o setor que menos irá investir em colaboradores provisórios neste fim de ano

Pesquisa encomendada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revela que 293,2 mil comerciantes devem contratar pelo menos um funcionário temporário para ajudar nas vendas de fim de ano. O setor de "Roupas e Calçados" é o que mais deverá contratar: 45% dos varejistas vão reforçar a equipe da loja. Em segundo lugar vem o segmento de "Perfumaria e Cosméticos" (40%), seguido de "Artigos Diversos" (moda esportiva, ótica e brinquedos), com 25% de intenção de contratar mão de obra extra. "Supermercados e Produtos Alimentícios" e "Eletrodomésticos e Eletrônicos" apresentaram como resultado 24% e 19%, respectivamente. Já a Papelaria deve ser o setor que menos irá reforçar o quadro de funcionários: 82% dos lojistas do setor afirmaram que não vão aumentar o número de colaboradores em dezembro.
Dos varejistas que não vão contratar colaboradores temporários, a maioria (71%) afirma estar satisfeita com a equipe atual. Para o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Jr, o número de empresários satisfeitos reflete o bom resultado dos esforços que o varejo brasileiro tem feito para treinar e capacitar as próprias equipes. “O mercado de trabalho experimenta índices baixíssimos de desemprego e crescimentos salariais acima da inflação. Isso faz com que boa parcela da mão de obra especializada já esteja empregada. Com a equipe já formada e bem treinada, o varejista muitas vezes opta por fazer um remanejamento interno dos funcionários, transferindo os empregados temporariamente de um setor para outro”, explica.
A pesquisa também procurou conhecer características pessoais e habilidades profissionais dos empregados procurados pelos comerciantes de shoppings e lojas de rua. Mais da metade dos varejistas (55%) têm intenção de contratar mão de obra jovem, entre 18 e 24 anos. A maior parte dos comerciantes (73%) pretende preencher de uma a cinco vagas extras para o fim de ano. O requisito básico para a maioria dessas oportunidades é o pretendente possuir ensino médio completo ou já ter tido experiências anteriores no ramo. A concorrência por uma contratação também promete ser grande: a maior parte dos lojistas (70%) pretende efetivar pelo menos um temporário.
Vendedores serão os mais procurados pelos comerciantes: sete em cada dez lojistas (71%) querem este profissional para atuar na linha de frente, cara a cara com o cliente. Caixas e estoquistas aparecem em segundo e terceiro lugares, com 26% e 17% de intenções de contratação, respectivamente. Segundo Pellizzaro, o Natal é característico por beneficiar praticamente todos os segmentos da economia. "O consumidor injeta dinheiro das formas mais variadas possíveis. Ele compra roupas novas, quita dívidas, revisa o carro e pode até começar uma reforma. Assim, todas as engrenagens giram juntas para fazer a máquina econômica funcionar", afirma.


Metodologia
Para elaborar o estudo foram ouvidos aleatoriamente 609 empresários de todas as capitais do país. A margem de erro amostral é de 4% e a confiança é de 95%. 


 

 

< Anterior | Próxima >