Revista da Papelaria

Início » Notícias / Escolar » Letterings e chalkboards aumentam as vendas

04/08/2017

   

Letterings e chalkboards aumentam as vendas

Você pode ainda não ter escutado essas palavras, mas a tendência de letterings e chalkboards pode mudar a venda de materiais artísticos na sua papelaria. As novidades começaram a fazer sucesso no exterior e, há cerca de três anos, cresce no Brasil. O lettering é, resumidamente, uma técnica em que se desenham letras combinando formas projetadas e criadas. Nessa arte são utilizados lápis, canetas, tintas, entre outros. Já o chalkboard é uma lousa feita com a técnica do lettering e tem sido muito usado em festas de aniversário e casamentos. Também trabalha com tintas, canetas e giz.


A paulista Marina Viabone, arquiteta e artista, tem apenas 27 anos e acumula quase 50 mil seguidores no Instagram, onde mostra suas criações de lettering. Segundo ela, cada vez mais pessoas têm se interessado pela técnica tanto por hobby como para conseguir uma renda extra, o que aumenta a procura por esses materiais específicos nas papelarias. Ela atende a agências, empresas e dá workshops em todo o país. “O lettering é a técnica mais fácil para quem está começando, pois é um desenho mais livre. No chalkboard você passa aquilo que fez no papel para o quadro. É possível se expressar por meio do lettering usando desde as ferramentas mais simples, como o lápis e borracha, até as mais profissionais”, explica.


No seu blog Primeiro Rabisco, Marina compartilha vídeos com dicas para quem quer começar a aprender a técnica. No workshop presencial, ela fala dos estilos de letras, como construir alfabetos, técnicas e materiais de caligrafia, planejamento da composição e dicas para acabamento do desenho e harmonia. Deu tão certo que há dois anos virou sua profissão, substituindo a arquitetura, e suas inspirações são variadas. “Pode vir de uma música que me tocou, uma viagem, livros, filmes, fotografias, ideias que vi na internet. Tudo pode me inspirar e virar arte”, diz ela.


Para começar a fazer o lettering, o material básico de caneta hidrográfica, giz, lápis de cor e folhas A4 são suficientes, afirma Marina. Conforme a evolução do aprendizado, é importante adquirir os materiais específicos. Ela indica caderno de desenho, a caneta nanquim da Staedtler, a caneta Pigma Mícron da Sakura, as canetas Unipen da Uniball, pontas 0.2, 0.5 e 0.8, além de lapiseira, borracha, canetas hidrográficas e lápis de cor.


Profissional na área, a artista tem hoje como essencial a caneta Posca, da Uniball, feita à base de água e vendida com várias pontas e cores diferentes, que substitui o giz escolar quando a demanda é por uma arte permanente. Para superfícies de metal, plástico, vidro e tela em que a Posca não tem aderência, ela utiliza a Paint Marker, da mesma marca. Dependendo da grossura, o preço varia de R$ 15 até R$ 45 nas papelarias de São Paulo. “É o produto que mais utilizo nos meus trabalhos, tenho mais de 50 canetas. Tem Posca com glitter, metalizada, neon, todas as cores”, aponta Marina.


Mas os materiais para criação de lettering e chalkboards são numerosos e variados. Marina Viabone cita as brush paints que têm ponta pincel da Faber-Castell, com ponta menor e é melhor para escrever pequenas coisas (ao lado); Tombow, que tem maior durabilidade e é mais cara; Copic; Copic; Sakura; e Bic, que têm uma qualidade melhor para treinar e são mais baratas; as aquarelas líquidas Ecoline da Talens e a Aqualine da Corfix; giz escolar e pastel; pincéis; tintas óleo; canetas Sharpie e Stabilo ponta 0.8; canetas Signo Uniball; e os sketchbooks e papel Canson 300 g para fazer o lettering. Já o chalkboard pode ser feito em uma placa de MDF tingido.


Na capital paulista, Marina encontra facilmente os materiais de que precisa, como na Papelaria Universitária. Porém, no seu blog, ela recebe mensagens de consumidores, principalmente do Norte e Nordeste, que têm complicações para comprar os produtos e geralmente pedem pela internet. “É um investimento interessante para as papelarias, pois a demanda tem crescido. Hoje, não são todas as papelarias que vendem esses materiais, a maioria fica nas grandes cidades”, aponta a artista.

 

< Anterior | Próxima >