Revista da Papelaria

Início » Notícias / Negócios » Convenção aponta crescimento do setor de 1,8%

08/11/2017

   

Convenção aponta crescimento do setor de 1,8%

Evento também ressaltou a importância do marketing multicanal e teve abertura com Mauricio de Sousa

Com o tema “O livreiro, de leitor a gestor”, a 27ª edição da Convenção Nacional de Livrarias, promovida pela Associação Nacional de Livrarias, reuniu líderes do mercado livreiro e editorial, empreendedores do setor e escritores no Sheraton Grand Rio Hotel & Resort, no Rio de Janeiro. O evento, ocorrido nos dias 29 e 30 de agosto, teve presença de Mauricio de Sousa e apresentou dados do varejo do livro no Brasil, além de debates sobre tecnologia e técnicas para atrair mais clientes para a livraria.


A abertura oficial da convenção foi realizada pelo consagrado escritor e cartunista Mauricio de Sousa, que palestrou sobre quando o trabalho também é paixão. Mauricio contou sua trajetória e disse que enfrentou descrédito no início da carreira. “Você precisa fechar os ouvidos, os olhos e o coração para quem fala que não vai dar certo", aconselhou.


Atualmente, a Mauricio de Sousa Produções possui 84% do mercado nacional de revistas e quadrinhos. “Temos uma usina de criação com mais de 300 desenhistas. É o maior estúdio do mundo fazendo produção de personagens de um só artista”, afirmou Mauricio.


A empresa de inteligência de mercado GFK Retail and Technology apresentou um painel com diversos dados do varejo de livros no Brasil. Segundo a pesquisa, apesar das quedas nas vendas em 2016, o ano de 2017 já apresenta recuperação, com crescimento de 1,8% no faturamento de livros em relação ao ano passado. “Entretanto, o crescimento não é igual em todas as categorias. As categorias didático, literatura brasileira, HQs, religiosos, autoajuda e biografia se destacam em 2017”, explica Filipe Mori, coordenador do estudo.


Os e-commerces representam hoje cerca de 1,3% do faturamento de livros. Entre os gêneros, nos sites os produtos mais específicos, como livros de medicina e direito são os mais vendidos. Já nas lojas físicas as compras são por maior impulso, sendo as categorias autoajuda e literatura brasileira as de maior expansão em relação ao ano passado, e HQs e literatura estrangeira de maior venda de modo geral.


No painel sobre marketing multicanal, a especialista em negócios digitais do Sebrae/RJ, Raquel Abrantes, sintetizou a necessidade de a loja oferecer diversas opções de canais de venda e comunicação aos seus clientes, como franquias, televendas, representantes, e-commerce e marketplaces. “Estamos no momento do SAC 2.0, o bom atendimento que a máquina não substituí. O multicanal é interagir com os clientes. O destaque são as redes sociais”, salientou Raquel.


Também participou do evento o CEO da Estante Virtual, Richard Svartman, portal de comércio eletrônico de livros novos e antigos, que debateu sobre o presente e o futuro das vendas on-line. Ele destacou que as livrarias físicas precisam trabalhar com as estratégias de reputação, classificação dos vendedores e giro ou diferenciação para competir com os preços das lojas exclusivas on-line. Richard também esclareceu sobre a teoria da cauda longa, que se baseia em oferecer produtos difíceis de encontrar no mercado. “É importante ter o que é melhor para o cliente da sua região, do perfil da sua loja. Trabalhar, por exemplo, com livros que têm uma venda menor e que não interessam aos marketplaces”, observou o CEO. 

 

< Anterior | Próxima >