CARREGANDO

Escreva para pesquisar

Gestão

Ambientes instagramaveis?

Compartilhe

O varejo tem adotado a criação de ambientes e experiências que incentivem o consumidor a registrar e compartilhar, principalmente no Instagram

Likes, comentários, engajamentos, algoritmos são as palavras em alta na vida de muitos artistas, celebridades e de demais pessoas usuárias das redes sociais. Pesquisas apontam que os brasileiros estão entre os consumidores que mais passam tempo na internet. São mais de nove horas navegando, das quais, mais de três horas e meia são nas redes sociais, bem acima da média mundial. Os dados são do relatório Global Digital de 2018 da We Are Social e da Hootsuite.

As redes sociais, em especial o Instagram, incentivam que o usuário faça conteúdos com fotos e vídeos de qualidade, que sejam atrativos visualmente e registrados em ambientes criativos e bem decorados. O setor do varejo percebeu a oportunidade e tem transformado seus produtos e ambientes físicos para que o público deseje registrá-los e divulgá-los nas redes sociais.

Assim são criados os espaços ou experiências instagramáveis. A especialista e professora de marketing do Centro Universitário Internacional Uninter Maria Carolina Avis explica: “Quem já passou por um ambiente muito bonito e ficou com vontade de tirar uma foto para postar em seu Instagram? Os ambientes instagramáveis são aqueles preparados para isso. Muito bem decorados, atraem o público para fazer fotos e vão muito além. O local instagramável tornou-se a mais nova forma de atrair um maior alcance orgânico e engajamento nas publicações no Instagram”.

Para a especialista, essa é uma estratégia de marketing que pode ser utilizada por todos os setores do varejo, em especial pelas papelarias. Segundo Maria Carolina, é importante que as empresas se atualizem e estejam ligadas nas tendências que surgem a partir do mundo digital, para que atraiam mais consumidores e isso se converta em vendas. “Papelarias têm um ponto positivo: as pessoas gostam de passar um tempo analisando os produtos, vendo as variedades, e não apenas chegam e compram o que precisam. Isso faz com que os produtos instagramáveis também tenham uma boa aceitação”, alerta.

Papelarias têm um ponto positivo: as pessoas gostam de passar um tempo analisando os produtos, vendo as variedades, e não apenas chegam e compram o que precisam tem uma boa aceitação. Isso faz com que os produtos instagramáveis também tenham uma boa aceitação

O bom e velho marketing de indicação também entra em questão nessa nova tendência. Se, antes, uma pessoa poderia influenciar outros dez amigos ou conhecidos ao indicar um produto ou serviço, hoje, ela pode influenciar muito mais pessoas pelas redes sociais, com fotos de qualidade e marcação do local em que o registro foi feito.

Além da indicação, Maria Carolina Avis destaca outro resultado que essa tendência gera: o de despertar o desejo. Primeiro, o desejo de registrar e, então, o de engajar, que tem como consequência incentivar que novos usuários se interessem, curtam e sigam a conta. No caso do lojista, a ação pode levar a marca a aumentar as visitas tanto nos seus espaços reais como nos virtuais.

O principal objetivo da ação de marketing é a experiência do usuário. A cada dia mais, o que o consumidor busca em uma marca é se conectar através de uma experiência positiva. Mas como fazer isso? Na prática, uma boa iluminação para captação da imagem e um espaço com tonalidades de cores e variações de formas são elementos importantes para um ambiente ser considerado instagramável. Frases de efeito e motivacionais, que tenham relação com o negócio ou com a missão da empresa, autenticidade e criatividade, também são essenciais para o cenário de uma bela foto para o feed do Instagram.

Mas é preciso ter calma. De acordo com a orientação de Maria Carolina, o ideal não é que o lojista monte o ambiente e peça que seus clientes façam fotos ou deem likes em seus perfis nas redes sociais. O espaço deve ser atrativo de tal forma a fazer o usuário voluntariamente usar o espaço e fotografar o produto. Ao contrário do que se possa pensar, não deve haver uma comunicação direta; o incentivo deve ser orgânico, a partir do efeito que o visual causa. “A ideia é que o ambiente atraia a atenção do consumidor para que ele tenha vontade de tirar foto, e não que tire por causa de um pedido da empresa”, #ficaadica da especialista.