CARREGANDO

Escreva para pesquisar

Gestão Retrospectiva 2019

Estreante no e-commerce

Compartilhe

De nome novo, a Atacadão MEC, comandada por Paulo Freire, passou por um ano desafiador e aponta a economia como um dos principais fatores que fez o mercado responder lentamente. A mudança do nome de Livraria para Atacadão se deu pela queda de faturamento de livros didáticos e paradidáticos. “Não chega a 20% do nosso faturamento e analisamos aumento na linha de presentes, artística, brinquedos e outros”, declara o empresário.

Mas o ano não se resumiu às dificuldades e segundo Paulo, os eventos realizados em 2019 garantiram o pico de movimentação na loja. Entre eles, oficinas de slime e lettering ajudaram a manter o crescimento da loja. Para o executivo, a força das redes sociais fez a diferença no negócio. “Está ajudando muito a complementar o marketing e as vendas. A ideia do meu e-commerce, por exemplo, já existia, mas o fato alavancador que fez com que eu tivesse mais velocidade para fazer isso foi as redes. Eu tive que profissionalizar as vendas”. Em relação aos fornecedores, Paul se mantém animado. “Percebemos eles mais próximos esse ano. Eles têm escutado mais e procurado meios, junto ao papeleiro, para alavancar as vendas”.

“A expectativa é de trabalhar com uma pequena melhora na economia com algo em torno de 5% de crescimento em relação a 2019. Mas, ainda assim, acreditando que o ano de 2020 ainda não será tão bom quanto gostaríamos, porém melhor que 2019”

Paulo Freire, Atacadão MEC